sábado, 10 de maio de 2008

1968: o ano que não acabou.


Aproveito a ocasião para divulgar um evento a ser realizado nesta semana na cidade do Rio de Janeiro para rememorar e celebrar as lutas que sacudiram o mundo em 1968. Professores, pesquisadores, dirigentes partidários da esquerda socialista e demais intelectuais envolvidos com o tema promovem o evento “Nós que amamos tanto a Revolução”. Uma ótima oportunidade para trazer de volta ao debate público o exemplo e as lições que devemos aprender com o ano que não acabou.


De 12 a 15 de maio, no Rio de Janeiro, haverá o seminário "Nós que amamos tanto a revolução", para relembrar e discutir a efervescência política e cultural de maio de 1968 em todo o mundo.

1968 - 40 anos


12 de maio - "1968 no mundo"


Palácio Gustavo Capanema


Rua da Imprensa, 16 - Centro


Debate às 10 horas:


Edgar Sanchéz - Lider estudantil no México em 68 - PRT (México)

Valério Arcary - Professor do CEFET/SP

Carlos Nelson Coutinho - Professor da UFRJ


Mediadores:Chico Alencar - Professor e deputado federal - PSOL/RJ

Adriana Facina - Professora da UFF e do OiCult


Oficina às 14 horas:Exibição e debate de filmes sobre 1968

Sala 106 - IFCS/ UFRJ

Largo de São Francisco - Centro


Atividade Cultural às 18h:

Samba, choro e cinema

Beco do RatoRua Morais e Vale, 11 - Lapa


13 de maio - "Movimento estudantil e educação: a atualidade de 1968"

CFCH - Praia Vermelha/UFRJ


Debate às 10 horas com:


Roberto Leher - Professor da UFRJ - LPP

Patrícia Mafra - Professora da rede estadual-RJ

Elinor Brito - Presidente FUEC em 1968


Mediadores:

Cyro Garcia - Presidente do PSTU/RJ


DCE da UFRJ


Oficina às 14h


Oficina com o Grupo Tortura Nunca Mais


Auditório do CFCH/Praia Vermelha/UFRJ


Atividade Cultural às 18h

Apresentação teatral

Teatro de Arena da UFRJ


14 de maio - "1968 sob a ótica da luta de classes"


Bloco O - Gragoatá - UFF


Debate às 10 horas com:

Mário Maestri - Professor da UFPF/RS

Milton Temer - Presidente da Fundação Lauro Campos

Marcelo Badaró - Professor da UFF


Mediadores:Marcelo Freixo - Professor e deputado estadual PSOL/RJ


MST


Oficina às 14h


Os Comunistas na década de 60:


Ivan Pinheiro - Presidente do PCB/RJ

Claudio Gurgel - Professor da UFF


Atividade Cultural às 18h

Cineclube OiCultFilme - Os Sonhadores


Debate com:Maurício Vieira - Professor da UFF


15 de maio - "Lutas anti-imperialistas e movimentos sociais"

Sala Celso Lemos - IFCS/UFRJ


Debate às 10 horas com:


Carlos Walter - Professor da UFF

Virgínia Fontes - Professora da UFF

Marildo Menegatti - Professor da UFRJ

D. Waldyr Calheiros - Bispo emérito de Volta Redonda


Mediadores:

Eliomar Coelho - Vereador PSOL/Rio de Janeiro -RJ

Demian Melo - Grupo de estudo GETTHI-Marx


ATO PÚBLICO ÀS 15 HORAS

Atividade Cultural


Confraternização de Encerramento

Ocupação Manoel Congo

Rua Evaristo da Veiga, 17 - Térreo

Um comentário:

Xacal disse...

"Sejamos realistas:exijamos o impossível"...

Como todo símbolo, 68 ultrapassa a "verdade"...

Muito mais importante do que as mudanças estruturais que se propunha a fazer (exceto na França)o movimento de 1968 é crucial para um aspecto que pouco estudamos...o inimigo...

desde então apenas dois democratas se elegeram nos EEUU, e um notório recrudescimento dos regimes mandou a esquerda para o porão...!

é nessa hora de ressurgimento dos movimentos populares e de governos "de esquerda" é que devemos pensar nos limites das nossas ações, e mais do que isso: nas reações que elas causam...!

mas que a frase francesa lá de cima é bonita, ahh, isso ela é...